Fotos de Eventos RealizadosRefletindo Acessar WebMail



Os escritos de Paulo, Pedro e João Indique para um amigo

O autor de Apocalipse foi o apóstolo João. Há muitas evidências que provam isso. Não há necessidade de se falar muito aqui. Contudo, há uma coisa que devemos saber. Devemos conhecer a característica dos escritos de Deus por meio de João e o que distingue os escritos de João dos escritos de Paulo e de Pedro. Sabemos que Pedro e Paulo foram dois homens escolhidos pelo Senhor para a edificação da igreja. João não mencionou muito a respeito da grande verdade sobre a igreja no seu evangelho e nas epístolas. Todavia, o que o Senhor o ordenou escrever nas primeiras duas seções de Apocalipse foi sobre a igreja. Portanto, se quisermos entender a posição, a situação, e as características das igrejas nos primeiros três capítulos de Apocalipse, temos de investigar cuidadosamente as diferenças e as relações entre os seus escritos e os dos outros dois apóstolos, Paulo e Pedro.

Podemos provar pela Bíblia que Pedro e Paulo são ministros respectivamente da circuncisão e da incircuncisão. Pedro e os onze apóstolos permaneceram em Jerusalém. Eles continuaram a obra do Senhor, ajuntando na igreja as ovelhas perdidas da casa de Israel. Paulo foi escolhido e chamado pelo Senhor para desvendar o princípio da igreja, que é pregar a toda criatura debaixo do céu por meio do evangelho (Cl 1). Ele foi quem estabeleceu esta fundação. A maior parte da obra de Pedro era limitada aos judeus. Ele nos considera como peregrinos na nossa jornada celestial para obter a herança celestial. A obra de Paulo foi especificamente focada sobre os gentios. Ele mostrou-nos que a nossa posição é nos céus e que qualquer herança que pertença a Cristo pertence também a nós. Há verdades dispensacionais do Novo Testamento, isto é, Deus lida com os homens de acordo com as dispensações. Em diferentes dispensações Deus tem diferentes maneiras de lidar com os homens e, diferentes e importantes verdades para eles.

A obra de João é muito diferente. Ele não fala a respeito da doutrina de dispensação. No seu evangelho não menciona a ascensão de Jesus. Nas suas epístolas, ele não destaca a posição dos santos nos céus. Ele fala somente da encarnação do Senhor Jesus e a Sua descida do céu para a terra. Para ele, o Senhor Jesus é a vida eterna. No seu evangelho ele explica o nascimento por meio da vida eterna. Nas suas epístolas ele explica o caráter da vida eterna.

Após a destruição de Jerusalém no ano 70 dC, houve uma mudança de dispensação. A igreja judaica que foi formada no dia de Pentecostes terminou. Na verdade, ela havia terminado muito antes, mas não fora anunciado oficialmente até então. A fé cristã e o judaísmo foram completamente separados depois disso. Os cristãos tinham de sair do acampamento judaico. A igreja estabelecida por Pedro entre os judeus fracassara. Cristo não podia mais levar a cabo a Sua autoridade no meio deles. Isso era verdade não somente entre os judeus, mas o era também entre os gentios. As igrejas estabelecidas pelo Senhor por meio de Paulo entre os gentios tinham também caído e não podiam herdar a herança abandonada pelos filhos de Israel. Paulo disse: “Pois todos eles buscam o que é seu próprio, não o que é de Cristo Jesus” (Fp 2:21). Todos os da Ásia (incluindo a igreja em Éfeso) me abandonaram (2 Tm 1:15). Mesmo aqueles que conheciam tão bem a verdade sobre a igreja não foram capazes de permanecer na fé. Na verdade, a apostasia já havia começado naquele tempo.

O mistério da iniqüidade já estava operando. Tanto a obra de Pedro como a de Paulo passaram por uma mudança dispensacional, porém a obra de João não envolve a questão de dispensação. Ele declarou somente que o Senhor Jesus é a vida eterna. Essa vida eterna nunca muda. A dispensação muda, as pessoas e coisas mudam, a vida eterna, seja no Senhor Jesus ou nos crentes, nunca mudará. Apesar de a igreja ser vomitada da boca do Senhor, o Senhor permanece imutável. A obra de João continua após Pedro e Paulo, e preenche a lacuna deles. O período de João liga a primeira vinda de Cristo à Sua segunda vinda. Ele trabalha entre essas duas vindas. Ele prega a Pessoa de Cristo e a vida eterna. Mesmo que a dispensação tenha mudado exteriormente e as coisas tenham se corrompido, a vida eterna é a mesma do começo ao fim. Podemos ver isso nos dois últimos capítulos do seu evangelho. No capítulo vinte vemos a figura do remanescente de Israel recebendo Cristo, começando de sua ressurreição até o tempo final. Tomé ter visto o Senhor traspassado era uma prefiguração. No capítulo vinte e um vemos uma prefiguração do ajuntamento total no milênio. E no encerramento do capítulo vinte e um o ministério particular de João e o de Pedro foram mencionados. O ensinamento de Paulo a respeito da igreja, que era totalmente celestial, evidentemente não foi abordado aqui. Os filhos de Israel como as ovelhas de Cristo foram confiados a Pedro. Todavia Pedro morreria. A sua obra não duraria e teria um fim depois de tudo. Finalmente, o ministério de Pedro terminou, e a igreja da circuncisão foi deixada sem pastor. Muito antes, Jerusalém foi destruída e o seu ministério foi completamente terminado. Aqui Pedro pergunta acerca de João. É estranho o nosso Senhor não falar sobre o fim de João. Ele somente disse a Pedro para segui-Lo, isto é, terminar o seu ministério na morte. Pedro deve ter pensado secretamente que o ministério de João permaneceria até que Ele venha. Ainda que o Senhor tenha se demorado e João morrera, o ministério de João nunca morreu. Os seus escritos e ensinamentos continuam a trabalhar até que o Senhor venha outra vez. Os ministérios desses três apóstolos são muito importantes. Se o Senhor permitir, um livro será escrito especificamente sobre eles, em algum outro tempo. O ministério de João está entre as duas vindas de Cristo. Agora podemos ver a verdade a respeito da igreja. Pedro falou sobre o fracasso da igreja judaica; Paulo falou sobre o fracasso da igreja gentílica. João não era nem ministro da circuncisão e nem ministro da incircuncisão. Nenhuma verdade dispensacional foi lhe comissionada. Portanto, ele não falou sobre qualquer mudança na igreja judaica e nem na igreja gentílica. No livro de Apocalipse, ele não disse sobre como a igreja passaria por mudanças até chegar ao seu estado de então. Ele falou somente sobre as condições depois da degradação de cada igreja individual e como o Senhor iria julgá-las. Quando a obra de Pedro e a de Paulo terminaram, João continuou a sua obra e descreveu as situações das igrejas que haviam se degradado no tempo da obra de Pedro e de Paulo.

A igreja que ele se referia, com exceção da única referência em Apocalipse 22:17, era diferente da igreja que Paulo se referia. João testificou do ponto de vista das igrejas individuais. Alguns candeeiros da igreja têm a possibilidade de serem removidos. As igrejas que ele viu se degradaram e retrocederam e foram julgadas por Cristo. As igrejas fracassaram! Os gentios que foram enxertados pela fé não permaneceram na bondade de Deus. A verdade de Paulo acerca da igreja foi transmitida principalmente à igreja em Éfeso. Todavia, como ela perdeu o seu primeiro amor, não demorou muito para o seu candeeiro ser removido. Assim como os filhos de Israel foram cortados no passado, agora a igreja também foi cortada da mesma maneira. Mas a paciência de Deus foi manifestada à igreja assim como o foi com os filhos de Israel. Contudo, assim como Israel, a igreja não sustentou o testemunho de Deus no mundo.

A igreja decaiu e fracassou. Apesar do fato de a dispensação da graça ter sido prolongada, a rejeição de Deus para com a igreja na terra havia começado no tempo de Apocalipse. O Senhor teve de usar outra maneira. Por um lado, o Espírito santo deu indicações de que Deus rejeitara a igreja. Por outro lado, Ele também indicou que Cristo obterá o Seu reino. O reino era a meta a partir daquele momento. O Senhor usou as sete igrejas existentes daquele tempo para representar a igreja como um todo. Ele mostrou que Deus havia rejeitado a igreja e que o fim estava próximo. Se o Senhor demorar-se, essas sete igrejas seriam a história da igreja (exterior) na terra. Assim, o Senhor deu indicações de que o fim estava próximo, e Ele mesmo viria a qualquer tempo. Esta é a sabedoria do Espírito Santo! O Senhor realmente demorou-se, e os capítulos dois e três de Apocalipse tornaram-se uma descrição da situação da igreja desde o tempo de João até a segunda vinda do Senhor.

Devemos perceber que no tempo de Pedro e Paulo, a igreja já havia fracassado. Isso irá nos ajudar a entender os ensinamentos acerca da igreja nos primeiros três capítulos de Apocalipse. Por causa do fracasso da igreja, vemos que Cristo não é mais um Sacerdote intercessor, mas um Sacerdote que julga. A partir disso, entendemos que não há igreja perfeita hoje. Neste sentido, não tenhamos a vã esperança. Saberemos qual deve ser a nossa atitude para com a igreja. Todos os homens são falsos; somente Deus é verdadeiro.

Fonte: Texto extraído da revista THE CHRISTIAN – primeiro volume, escrito por Watchman Nee em 1925.

 

 

Voltar

Rua Artur Machado 935, Boa Vista - Uberaba-MG